sexta-feira, 4 de junho de 2010

Como ler A Essência do Dragão: Ressurreição?

Olá, amigos.


Como prometido esta semana, atualizei o blog. Hoje falarei sobre o livro, ou melhor, como lê-lo.

Podem ler o artigo tranquilamente, pois não há “spoiler” algum.

Inspirado num artigo do escritor Eduardo Spohr (http://www.filosofianerd.com.br/) sobre como ler o seu livro, A Batalha do Apocalipse, resolvi fazer algo parecido.

Eu acho, e não me ofendo com isso, que o livro pode ser lido de duas formas, basicamente. Uma delas é lê-lo como uma história fantástica, seguindo a trajetória dos personagens, todas as situações vividas, etc. Por sinal esta era a filosofia do Tolkien quando escreveu O Senhor dos Anéis (não admitindo comparações com o cotidiano recente daquela época, ou seja, a Segunda Guerra Mundial). Talvez este seja o ponto mais forte do livro. O segundo modo é vê-lo como uma espécie de paródia dos tempos modernos. Não em seu todo, mas em alguns pontos específicos. Vocês repararão que alguns capítulos de certa maneira propõem reflexões sobre o nosso cotidiano. Em alguns momentos a própria natureza do texto levará o leitor a pensar nas situações e nos conceitos muitas vezes até cristalizados de nossas vidas. Quais são eles? Deixo a cargo do leitor descobri-los.

Há em algumas partes do livro o que se convencionou chamar de “easter eggs”(ovos de páscoa). Onde estão? O que são? Vocês me dirão, pois já faz algum tempo e esqueci, rsrsrs!

O universo de A Essência do Dragão é um lugar com suas especificidades. Apesar de ser semelhante em muitos aspectos com o nosso universo, há algumas coisas diferentes. Contudo não é um lugar onde tudo pode acontecer. Há “leis da natureza” regendo aquele universo. Não haverá recursos como “Deus Ex Machina” ou algo sem lógica nenhuma. As limitações impostas por aquele universos serão respeitadas da primeira a última palavra. Isto eu posso prometer, com certeza.

Acho que uma de minhas maiores referências filosóficas vem de um filósofo chamado Ernst Cassirer. O seu livro intitulado Ensaio sobre o Homem (An Essay on Man) foi o divisor de águas na minha vida. Quem me apresentou a este filósofo foi um professor meu num curso de história da arte, Dr. Afonso Carlos Marques dos Santos, infelizmente falecido em 2004. A vida é assim mesmo: guarda grandes surpresas e aquilo que é considerado cristalizado, se desmancha com um bom argumento.

Lembrem-se que A Essência do Dragão: Ressurreição é a primeira parte de uma trilogia. Portanto haverá pontas soltas que serão respondidas nos outros dois volumes. E por falar em trilogia, prometo que não será uma de quatro ou cinco volumes (que os deuses me perdoem: trilogia de quatro?) como às vezes acontece no mercado editorial. Estou trabalhando incansavelmente nos dois próximos volumes para que não haja um intervalo grande entre eles. E se alguma idéia aparecer após a história contada, considere-a uma nova saga, rsrsrs!

O meu maior desejo é conhecer a opinião do leitor. Sou uma pessoa como qualquer outra, com qualidades e defeitos. Portanto fiquem à vontade para conversar comigo sobre o livro. Não há restrição. Só poderei crescer como autor se tiver a possibilidade ou privilégio de ouvir o leitor.

O que posso prometer é uma história o mais inédita possível. Vocês verão os dragões como nunca foram vistos antes. Por isso não criem expectativas e livrem-se dos preconceitos. Abram a mente e deixem-se levar pela história. Foi um livro feito para vocês. Claro que as referências da minha vida estarão ali; livros, HQs, filmes, etc. terão seus reflexos na história, afinal não sou cibernético (quem dera...), mas não tão fáceis de encontrar. Portanto, para quem adquirir o livro, desejo uma boa viagem e seja bem-vindo ao mundo dos dragões.

4 comentários:

schulai disse...

Oi Andres! Lendo esse seu post agora só aguçou ainda mais a minha curiosidade e expectativa em relação ao seu livro! Sei que seu trabalho com os dragões será inédito e inesquecível! Torço mto por você! Abraço!

Andres Carreiro Fumega disse...

Obrigado pelo apoio, Leandro!
Abração!

itto disse...

AH Andres,assim eu morro de curiosidade.Cada vez que leio algo aqui no blog fico com mais vontade de ler o livro.Espero ansiosamente,o seu livro,ja sou seu fã.Confesso que nunca me interessei por livros de dragões,mas o seu me chamou muita atenção.
Abraços.

Andres Carreiro Fumega disse...

Olá, Ítalo!
Fico contente que esteja gostando!
Abração!