quinta-feira, 19 de dezembro de 2013

Curiosidades da vida de um escritor iniciante...

Há alguns meses houve uma polêmica, na bienal do livro, que envolveu o nome de Rubem Fonseca, criada a partir de uma frase fora de contexto e má interpretada dada por um jovem escritor de sucesso na área de fantasia, dizendo que o grande autor da literatura contemporânea brasileira não seria publicado nos dias de hoje. A frase crua, sem o devido contexto, seria o mesmo que dizer que a literatura brasileira está morta. Ainda bem que foi só um caso de má interpretação, ou simplesmente uma opinião isolada; todos nós temos direito a dá-las e o próprio Rubem Fonseca sofreu por causa de censura.

Eu sou fã incondicional da literatura de José Rubem Fonseca. É uma de minhas influências nacionais mais fortes. Juro que até vi outro dia o “Nariz de Ferro” andando pela Rua Treze de Maio, aqui no Centro Rio. Coincidência fantástica e assustadora. Procurei para ver se não encontrava o Mandrake no Amarelinho, hehehe!

Uma das curiosidades de minha jornada como escritor, foi poder dar uma cópia do meu livro a Rubem Fonseca. É isso mesmo, ele tem uma cópia de A Essência do Dragão, caso não tenha jogado fora por achá-la uma porcaria, o que seria totalmente compreensível, J

Outra coisa rara foi conseguir que ele me autografasse um livro dele. Outra coisa rara, guardada em meu baú de tesouros mais preciosos (desculpe a redundância, mas foi necessária). A imagem está aí embaixo.



O mais fantástico é que eu nunca me encontrei com ele. É verdade! Foi algo feito por intermediários. Uma história sensacional que um dia conto, se tiver paciência de escrevê-la.

Assim, concluindo, conseguimos manter nossas filosofias de reclusão literária.

Mais uma história da jornada de um escritor....



Abração!

Feliz 2014 e algumas notícias sobre AEdD.

Olá, gente amiga!

Tudo bem com vocês?

Vamos ao que interessa!

Este ano foi bem estranho para mim. Coisas terríveis aconteceram em minha vida e outras surpreendentes também. Não vou entrar em detalhes, são situações pessoais e vocês têm o direito de não ficarem com os ouvidos cheios de problemas alheios. Afinal, não sou personagem de novela, J

Sobre a Essência do Dragão:

Desde 2011 entrei numa situação de autoquestionamento sobre a minha forma de escrever. Pensei se realmente tinha “vocação” para a coisa. Deixei-me afetar pelas críticas, nem sempre favoráveis. A princípio odiei, mas depois percebi que era uma forma de melhorar. Sei que não poderei nunca agradar a todos, mas se puder agradar muita gente já estará de bom tamanho.

Resolvi modificar algumas coisas no livro, principalmente trechos que as pessoas achavam bem chatas. Realmente são desnecessários para o desenvolvimento da história. Mudei muito meus conceitos literários nestes últimos anos.

Espero que até o início do ano que vem, tenha a nova versão pronta, para aproveitar algumas janelas que boas editoras abrem neste período. Vamos jogar os dados...

Sobre as vendas da primeira edição: Posso falar sobre as últimas notícias que tive no iniciozinho do ano. Foi uma tiragem de 1500 livros. No começo achei que não venderia nada, ou quase nada, pelos números fracos dos primeiros seis meses (140 livros vendidos). Desanimei e deixei a coisa fluir. No início de 2013 perguntei quantos haviam sido vendidos. O total era de 1400. Com isso tomei a decisão de rescindir o contrato com a editora Novo Século. Os aproximadamente 100 livros que restaram levariam anos para serem vendidos. Um número pequeno para distribuição em livrarias, onde o livro mostrou ser muito forte. Não queria ficar preso à editora. Eu era só mais um autor entre muitos, e o importante na filosofia deles é a vendagem total. Coisas de negócios. Existem editoras, contudo, que gostam de trabalhar o livro que elas acreditam, portanto creio que este tipo de editora seja mais compatível com minha filosofia. Dito isto, a coleção não continua pela antiga editora. Boa sorte e sucesso para eles.

Este ano eu terminei de escrever um livro diferente dos de fantasia. Não quero entrar em detalhes sobre o conteúdo (surpresa!), mas ele teve uma função diferente: testar meus limites em termos de escrita, e conseguir escrever diferente e melhor as continuações de A Essência do Dragão. Ele se chama EU NÃO ACREDITO EM HERÓIS, é o que posso adiantar. Está em análise em três grandes editoras. Não tenho expectativa alguma de ser publicado, mas mesmo sendo negativa (o que é provável) as notícias sobre a publicação deste livro, pelo menos terei uma referência profissional de alta qualidade se estou ou não no caminho certo. Escrevendo a sequência de A Essência do Dragão, Ciclos, percebi que estava cometendo os mesmos erros anteriores, por isso não houve prosseguimento nos trabalhos. Precisei repensar tudo, e foi muito bom, afinal eu não tenho muito a perder, sou ainda um estreante na literatura. Estou tentando pular o muro dos escritores para estar junto deles. Quem sabe...

Só preciso encontrar o trilho certo, e isto pode demorar um pouco, mas vai acontecer, tenho fé!

Quero agradecer a todos que confiaram no meu trabalho, comprando ou resenhando o livro.

Desejo um 2014 cheio de sucesso e realizações!

Abração bem forte do autor,
Andrés.